quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Próxima corrida: Taça Regional AC Porto XCO #1 - Folgosa




Programa:

08h00 – Abertura do secretariado Corridas C1 e C2
08h45 – Reunião de Directores

09h30 – Corrida C1
Todas as categorias Femininas
Cadetes Masculinos, Master 40, 50
Promoção

10h30 – Corrida C2
Juniores, Sub-23, Elites, Master 30
12h30 – Entrega de prémios

domingo, 4 de fevereiro de 2018

Campeonato Open Ciclocross Águeda #3

Corrida de despedida para mim, desta temporada de Ciclocross 2017/2018, com a participação na terceira prova do Campeonato Open de Ciclocross de Águeda.

Foto: Júlio Fernando Ornelas
Depois da participação na primeira prova desta competição, que se disputou em simultâneo com a primeira prova da Taça de Portugal, no passado mês de Novembro, não tencionava regressar aquele circuito. Ainda hoje tenho marcas no corpo da queda que tive lá nesse fim de semana e as características do circuito em si também não me agradavam. 
Mas o gosto pelo Ciclocross e o facto de achar que pelo empenho e coragem que tiveram para colocar de pé este campeonato, os organizadores mereciam uma segunda oportunidade da minha parte, decidi ir participar nesta prova, depois de ter falhado a segunda por ter coincidido com o Campeonato do Mundo na Bélgica, e não me arrependo de ter ido.

Foto: Júlio Fernando Ornelas
O traçado do circuito sofreu algumas alterações, principalmente na sua primeira metade, que na minha opinião tornaram-no bastante melhor, mais rápido e fluido e sem aquela longa secção inicial em single-track.

O facto de estarmos já em final de temporada foi muito notado em termos de adesão de participantes, o que levou a algumas alterações no formato das corridas. Desta vez os Master 30 alinharam em conjunto com as categorias de Elites, Juniores, Master 40, 50 e Femininas.

Dado o sinal de partida, consegui chegar-me para a frente do pelotão e andei na frente da corrida juntamente com o Elite Vítor Santos (Quinta das Arcas/Jetclass/Xarão) durante as primeiras duas voltas, até que entretanto ele assumiu a frente de corrida e isolou-se.
Na luta pelos Master 30 eu também estava isolado na frente, tendo encontrado o meu ritmo e apenas uma ligeira queda na quarta volta veio destabilizar momentaneamente a minha prova e assim venci, sendo seguido pelo Pedro Marques (BTT Seia) e pelo Domingos Ladislau (Code/Santa Cruz(Bicicastro).

Uma vez mais tive a oportunidade de correr com a Trek Boone 7, que voltou a confirmar as expectativas de grande máquina de CX que é.

Termina assim esta temporada de Ciclocross. Agora as atenções voltam-se para o BTT e daqui a nada já estamos com saudades do espectáculo do CX...

domingo, 28 de janeiro de 2018

Open Sentir Penafiel Ciclocross #3 - Castelões

Castelões estreou-se no mapa do Ciclocross nacional com a recepção da terceira e ultima prova da edição 2017/2018 do Open Sentir Penafiel, com um circuito duro, intenso e bastante divertido, desenhado no Parque de Lazer desta freguesia do concelho de Penafiel.

Foto: Virgínia Rodrigues
Este local já me era familiar desde há uns três anos, altura em que o descobri para fazer alguns treinos, achando desde logo que seria um bom sítio para receber uma prova de Ciclocross. Este ano as coisas proporcionaram-se e a organização do Open teve uma excelente receptividade e apoio da Junta de Freguesia de Castelões e assim foi possível encerrar esta edição com um novo e bonito circuito, que julgo ter agradado à grande maioria dos participantes.

Foto: Virgínia Rodrigues
Nesta altura do ano, já com Campeonato Nacional e a ultima prova da Taça de Portugal disputados, notou-se bastante a ausência de participantes nesta corrida, que já começam a pensar noutras coisas nesta fase, e na minha categoria foi muito notada a ausência do Rúben Nunes, que tinha as contas finais em aberto comigo na luta pela vitória entre os Master 30.

A partida foi algo atribulada, mas ainda nas primeiras centenas de metros consegui chegar à frente da corrida e tentar impor o meu ritmo. Consegui isolar-me na frente e ao longo das seis voltas fui mantendo uma boa margem sobre o Campeão Regional e colega de equipa, Augusto Midão, de regresso após a ausência em Valongo, que fez também ele uma prova sempre isolado na segunda posição e a fechar o pódio terminou o Domingos Ladislau.

Foto: Leonor Marques
Nas contas finais do Open e desde logo com a ausência do Rúben, que termina então em segundo e no terceiro posto ficou o Afonso Ferreira, que nesta prova de Castelões terminou a corrida na quarta posição.

Na despedida desta edição do Open Sentir Penafiel em Ciclocross, não posso esquecer de agradecer a todos aqueles que contribuíram para que fosse possível avançar para a terceira edição desta competição que muito me orgulha como penafidelense, em especial ao Renato e à Sofia Gaspar, sem duvida os dois grande obreiros de tudo isto.

Agradeço também o apoio e carinho que de forma especial senti nesta prova, com a presença de muitos amigos e alguns familiares que também quiseram juntar-se a esta festa que são sempre as provas de Ciclocross! Obrigado a todos!

Um agradecimento também para a Teknovelo, que para esta prova me disponibilizou uma fantástica Trek Boone 7, sem duvida uma grande máquina de Ciclocross!

No próximo domingo vamos para a ultima corrida desta intensa temporada, com a participação na Taça Centro de Ciclocross, em Águeda.

Galeria de Fotos

Classificação Master 30

Ranking Final Master 30

Resumo Vídeo

domingo, 21 de janeiro de 2018

Taça Portugal Ciclocross #5 - Ciclocross Internacional de Valongo

O Parque Aventura situado no complexo da Lipor em Ermesinde foi o local que acolheu a quinta e ultima prova da temporada 2017/2018 da Taça de Portugal de Ciclocross, num evento de Categoria 2 do calendário da União Ciclista Internacional que além dos habituais nacionais, contou com a presença de alguns atletas estrangeiros que vieram trazer brio e andamentos especiais a esta corrida.

O local escolhido, permitiu a construção de um circuito muito elogiado, bastante completo, na minha opinião, com subidas duras, zonas mais rolantes, descidas interessantes... Tinha um pouco de tudo e até a chuva veio "apimentar" um pouco mais as coisas, tornando algumas zonas escorregadias e mais técnicas.

Na minha corrida voltei a ter um dia muito positivo, sentindo-me bem desde o inicio, consegui isolar-me e manter um bom ritmo ao longo das quatro voltas ao percurso, tendo apenas um ligeiro percalço durante a terceira volta, quando a corrente da bicicleta que saltou fora da pedaleira ao passar um ressalto do terreno, obrigando-me a parar e ali perder alguns segundos, mas felizmente consegui manter a liderança até ao final.
Na segunda posição terminou o Michel Machado (Vasconha BTT Vouzela) e o Rúben Nunes (ASC) foi o terceiro, resultado que foi suficiente para lhe garantir a vitória final no conjunto dos pontos somados ao longo das cinco provas desta Taça de Portugal.
Quanto a mim, com esta vitória assegurei o segundo lugar final no ranking da Taça.

Apesar de alguns aspectos que julgo deveriam ser revistos em próximas edições, julgo que o balanço final deste primeiro Ciclocross Internacional de Valongo é francamente positivo e espero que esta tenha sido a primeira de muitas edições e que outras organizações possam seguir este exemplo, nomeadamente com a realização de provas inscritas no calendário da UCI, para que consigamos elevar o nível desta modalidade no nosso país e finalmente ser possível começarmos a ter representação portuguesa à altura, nas mais importantes competições internacionais.

Com o fecho de contas desta Taça de Portugal, começamos a sentir que aproxima-se rapidamente o final da temporada e essa sensação estranha de que daqui a poucos dias já estamos a sentir saudades deste ambiente fantástico que se costuma viver nas provas de Ciclocross.

Mas, entretanto ainda podemos desfrutar em mais duas provas e já no próximo domingo temos Open Sentir Penafiel, que também fecha as suas contas em Castelões.

Classificação Master 30

Ranking Final da Taça de Portugal Ciclocross Master 30

Resumo Video UVP-FPC

domingo, 14 de janeiro de 2018

Campeonato Nacional Ciclocross 2017/2018 - Melgaço

Foto: Eduardo Campos/Ciclismo+TV
A Vila de Melgaço, bem lá no topo norte de Portugal, foi a sede do Campeonato Nacional de Ciclocross, época 2017/2018 e de lá regressei com o meu terceiro título da vertente invernal do ciclismo após um dia em que tudo correu bem.

Diz o ditado que "não há Campeões sem sorte" e eu bem que posso confirmar isso, pois o fim de semana em Melgaço foi perfeito. Consegui fazer a minha corrida, encontrando um bom ritmo, num circuito que não me canso de dizer que será "o mais puro" que temos encontrado em Portugal ate ao momento, e que este ano se apresentou bem mais duro que no ano passado, devido ás chuvas que foram caindo até poucas horas antes do inicio da prova.

Foto: UVP-FPC
Assumi a frente de corrida desde cedo e tentei a minha sorte, sabendo que o leque de fortes candidatos à vitória era bastante grande, como tem ficado demonstrado nas ultimas provas da Taça de Portugal, sendo primeiro perseguido por um grupo encabeçado pelo Rúben Nunes e mais tarde pelo Michel Machado, que entretanto também se isolou na segunda posição, onde terminou, seguido do meu colega de equipa Augusto Midão, que mais uma vez voltou a fazer uma grande corrida, depois de um arranque que o deixou nas ultimas posições do pelotão, mas que saiu de Melgaço com a sua primeira medalha em Campeonatos Nacionais.

Foto: Eduardo Campos / Ciclismo+TV
Os fins de semana de Campeonatos Nacionais são sempre especiais. O ambiente e envolvência são diferentes que qualquer outra prova. Durante a corrida é incrível sentir o apoio que nos vai sendo transmitido por quem assiste do lado de fora das fitas (e ás vezes também de quem correr do lado de dentro!).
Ter comigo os meus dois amores Leonor e Marisa é também sempre especial, como o é ver o entusiasmo com que me acompanham e toda a força que me dão.

Foto: Eduardo Campos / Ciclismo+TV
Sem duvida que é a elas as duas que tenho de dedicar em primeiro lugar este titulo nacional, por todo o apoio que me dão no dia-a-dia, principalmente naqueles dias mais difíceis e que têm sido bastantes e pela tolerância nas minhas muitas ausências nos fins de semana que estou longe delas a competir.

Agradeço também ao amigo Miguel Moura (LousaNutrição) pelo apoio que me tem dado na orientação dos treinos e ajuda na escolha dos suplementos alimentares Gold Nutrition. Obrigado Amigo.

Foto: UVP-FPC
Uma palavra também para a Teknovelo e o Roberto Ferreira, também sempre empenhados para que as minhas bicicletas estejam nas melhores condições e de facto as coisas correram mesmo bem, sem qualquer tipo de percalço.

Nestas andanças do Ciclocross "a equipa" é algo diferente, pois além do habitual apoio dos colegas da Rompe Trilhos/APCar, há aqueles amigos que se juntam para enfrentar estes meses de inverno a praticar esta nossa modalidade do coração e sem duvida, que entre esses, tenho de destacar o António Moreira, que "tem estado em todas" e com quem tenho partilhado também muitos momentos.

Foto: UVP-FPC
Há muitos outros amigos, que também de uma ou outra forma contribuem para que estas andanças pelo ciclismo se tornem em memórias para a vida e cada um sabe quem é, e a todos vós também, agradeço e tento retribuir-vos a mesma força e carinho que me transmitem.

Agora há que seguir em frente e manter a dedicação para honrar sempre da melhor forma possível esta linda camisola que trouxe de Melgaço!

Até domingo, na ultima prova da Taça de Portugal, em Valongo!

Galeria de Fotos

Classificação Master 30



Resumo Video UVP-FPC