sábado, 2 de dezembro de 2017

UCI Cyclocross Masters World Championships 2017 - Mol

Depois da estreia em 2016, este ano voltamos a Mol, na Bélgica, para participar no Campeonato do Mundo de Ciclocross Master.

A "comitiva" voltou a ser a mesma, com a excepção da ausência do Paulo Soares, que a poucas horas da viagem teve de abdicar da mesma, devido a questões pessoais de saúde familiar. 
Desta vez organizamos a logística de forma diferente, o que nos permitiu treinar mais vezes no circuito da prova, que apresenta características muito, mas muito diferentes daquilo a que estamos habituados, principalmente no que toca às extensas e difíceis zonas de areia, e também ter a possibilidade de descansar um pouco melhor, evitando grandes deslocações. 
Foram dias de ambiente e convivio espectaculares. O grupo já se conhece bem e é capaz de proporcionar bons momentos. 

Desta vez já sabíamos ao que vínhamos e penso que isso reflectiu-se na forma com que todos abordamos a corrida. 
O dia de prova amanheceu com muito frio, com temperaturas negativas a rondar os -1 e -2ºC durante a manhã e os 0 a 2ºC durante a tarde. Para mim, o mais difícil foi suportar o frio na ponta dos dedos das mãos, principalmente nas duas voltas inicais da prova, apesar de levar dois pares de luvas! 

A ordem de chamada para a grelha de partida foi, tal como no ano passado, por sorteio, e uma vez mais o computador não foi simpático... Parti na ultima linha, com cerca de sessenta atletas na minha frente. 
Optei por ir calmo na saída, já que o risco de ficar envolvido nalguma queda ou molhada era enorme. Mesmo assim, acabei por ter uma ligeira queda ainda dentro do primeiro quilómetro, sem consequências fisicas ou mecânicas, mas sempre com perda de lugares e alguns segundos, mas havia que seguir de "cabeça fria", procurando recuperar o máximo de posições possíveis e assim foi durante todas as seis voltas ao percurso. 
Consegui ultrapassar outros atletas até à última volta, e finalizar a corrida no décimo quinto posto, o que me deixou bastante contente, tendo em conta o facto de partir tão de trás, que imediatamente coloca em causa a possibilidade de se conseguir chegar aos lugares dianteiros, pois com um pelotão tão numeroso é quase impossível evitar perda de tempo para os da frente durante a primeira volta devido ao tráfego... 
A corrida e o título mundial na categoria Master 35/39 voltaram a ser conquistados pelo americano Matt Shriver da Trek Cyclocross Collective, ficando a medalha de prata para o checo Ondrej Zlený e a de bronze para o francês Laurent Spiesser (VCSCP). 
Concluiram a prova 63 atletas. 

Quanto aos colegas de aventura, Carlos "Beco" Queirós foi 57º na minha categoria. O campeão nacional Rúben Nunes foi 16º na categoria Master 30/34 e o António "Custóias" Moreira 24º no escalão 50/54. 
Em prova estiveram também o Carlos Gomes, 33º Master 35/39 e o Vítor Lourenço, 46º 50/54. 

Sem duvida que regressamos a Portugal mais enriquecidos com esta experiência e foi espectacular poder assistir à corrida dos profissionais no dia seguinte e encontrar e contactar pessoalmente com ídolos como Sven Nys, Niels Albert, Katie Compton, Aadrie Van Der Poel ou Ellen Van Loy. 

As atenções viram-se agora novamente para as corridas nacionais e para o Campeonato Regional do Porto que se disputa já na próxima sexta feira, 8 de Dezembro em Santiago de Subarrifana, Penafiel. 

Obrigado a tod@s pelo apoio e principalmente à minha família pela compreensão nos momentos em que estou ausente.


Classificação Master 35-39



domingo, 26 de novembro de 2017

1º Trofeo Concello de Culleredo

Com a alteração ao calendário da Taça de Portugal de Ciclocross,  optei por fazer mais uma incursão pela Copa Galicia.

Desta vez fomos até Culleredo,  na província da Corunha, onde encontramos um circuito que há alguns anos já acolheu provas da Copa de Espanha.

Foto: Luz Iglesias
As chuvas dos dias anteriores tornaram algumas zonas da pista bastante escorregadias, tornando a condução ainda mais divertida.
O dia amanheceu com muito frio, com cerca de 0ºC de temperatura.

Dada a partida,  de imediato surgiu uma queda no pelotão,  criando um fosso para os primeiros.
Passadas as primeiras confusões,  fui recuperando alguns lugares, até chegar ao quinto posto, lugar que depois geri nas duas últimas voltas devido a um furo lento na roda traseira da bike.

A corrida foi vencida de forma categórica pelo Luciano Carretero (Cambre-Caeiro),  que foi acompanhado no pódio pelo colega de equipa Andrés Calvete e por Alejandro Messias.

Depois desta prova o destino é o Campeonato do Mundo de Ciclocross Master, em Mol, na Bélgica.


Classificação Master 30




sábado, 18 de novembro de 2017

XX Trofeo Montes de Eiras de Ciclocross

Já vem sendo tradição nas minhas ultimas temporadas participar no Trofeo Montes de Eiras de Ciclocross e este ano lá fui novamente até à localidade galega de O Rosal, disputar a corrida no circuito desenhado nas margens do Rio Minho, com as zonas de areia como "cartão de visita".

Foto: Luz Iglesias
No ano passado enfrentamos nesta prova condições de verdadeiro inverno, com chuva e vento forte. Este ano foi o contrário, com sol e até algum calor.

Esta é uma prova onde gosto de correr. Gosto do misto de trilhos de areia e zonas rápidas e apesar de ainda manter algumas características de "circuito ratonero" que marcam muitas das provas galegas, este ano estava um pouco mais fluido.

Foto: Vitor Santos
Sem ranking, pois foi a minha primeira participação do ano na Galiza, arranquei na parte de trás da grelha de partida e depois foram quatro voltas sempre a tentar recuperar posições, até mesmo ao risco de meta, onde perdi o sétimo lugar por poucos centímetros!
A prova foi vencida por um fortisimo Luciano Carretero (Cambre-Caeiro), autor de uma grande recuperação depois de uma avaria logo na primeira volta.

Apesar da abismal diferença para o circuito do mundial em Mol, foi bom poder voltar a experimentar pedalar na areia em ritmo de competição a poucos dias de embarcar para a Bélgica, mas antes disso ainda participo no próximo domingo no I Trofeo Concello de Culleredo.

Galeria de Fotos

Classificação Master 30




domingo, 12 de novembro de 2017

Taça de Portugal CX #1 - Águeda

Foto: UVP-FPC
Inicialmente previsto para Vouzela, mas posteriormente alterado para Águeda devido à tragédia dos fogos florestais que assolaram a região centro do país, a Taça de Portugal de Ciclocross arrancou debaixo de forte nevoeiro e frio, num circuito desenhado no novo Bike Park de Águeda.

A prova não começou da melhor forma para mim, que não evitei uma queda algo violenta ainda durante o reconhecimento ao percurso, que deixou algumas marcas no corpo, mas naquela altura era tempo de pensar na corrida que se seguia...

Foto: UVP-FPC
Parti bem para a corrida, rodando numa primeira fase na terceira posição e a tentar perseguir o Ruben Nunes e o Afonso Ferreira que seguiam na frente, mas entretanto fui alcançado pelo Pedro Marques que vinha a andar bem na recuperação depois do arranque.
O Pedro passou e naquela fase não consegui seguir no ritmo dele, recuperando no entanto algum terreno nas ultimas duas voltas, mas já tarde de mais para o alcançar e assim fechei a prova na quarta posição.
Parabéns ao Rúben pela vitória e ao Afonso e ao Pedro pelos pódios.

Foto: UVP-FPC
Acho que acabei por "salvar" bem o fim de semana, tendo em conta tudo o que se passou, consegui andar na luta pelo pódio e, bem vistas as coisas, até foi o melhor inicio de Taça de Portugal de CX dos últimos três anos, pois em 2015 nem sequer corri na primeira prova por estar doente e no ano passado tive uma prova condicionada por problemas mecânicos na bicicleta... Assim sendo, siga para a próxima, que será já no próximo sábado, em O Rosal, a contar para a Copa Galícia de Ciclocross.


Classificação Master 30