domingo, 17 de dezembro de 2017

Taça Portugal Ciclocross #3 - Paços de Ferreira

Foto: UVP-FPC
Uma semana após Vila Real o destino foi Paços de Ferreira para a disputa da terceira prova da Taça de Portugal de Ciclocross, que acolheu a caravana do CX em pleno Parque Urbano, numa manhã de sol, mas muito frio.
Foi um evento bem interessante, com bastante publico a assistir e onde assistimos a mais um aumento de participação de ciclistas de estrada, com algumas figuras importantes do ciclismo nacional a alinhar.

Na hora da nossa corrida, ainda se fazia sentir bastante a presença da geada e algumas partes do percurso estavam húmidas e escorregadias.
Foto: by Eduardo Campos

Parti bem e durante a primeira metade da corrida andei junto com o Rúben Nunes destacados na frente da corrida, mas depois não consegui seguir no mesmo ritmo que ele e aos poucos fui perdendo algum terreno, finalizando a prova em segundo, ficando a vitória para o Rúben.
No terceiro lugar terminou o Pedro Marques, depois de uma boa luta pelo pódio.

Apesar de não me ter sentido nos melhores dias, talvez devido a alguns sintomas de gripe, acabei por sair contente com o resultado e seguimos na luta pela Taça, que agora faz um interregno de duas semanas para as festividades de Natal e Ano Novo, regressando no dia 7 de Janeiro em Marrazes, Leiria.

Galeria de Fotos

Classificação Master 30


Resumo em Vídeo UVP-FPC

sábado, 16 de dezembro de 2017

Próxima competição: Taça de Portugal de Ciclocross #3 - Paços de Ferreira






domingo, 10 de dezembro de 2017

Taça de Portugal Ciclocross #2 - Vila Real

Após o arranque em Águeda, a Taça de Portugal voltou à actividade em Vila Real, num fim de semana marcado pelo regresso da chuva, que já nos tinha feito companhia dois dias antes na corrida do Campeonato Regional do Porto.

Os BilaBikers foram os responsáveis pela organização deste evento, que fez regressar a caravana do Ciclocross nacional a Vila Real, onde não corríamos desde 2014, na Campeã. Mas desta vez a prova realizou-se em pleno "coração" daquela capital de distrito transmontana, com um bonito circuito desenhado no Parque do Corgo.

Esteve de parabéns a organização, que na minha opinião, conseguiu apresentar um percurso muito bem conseguido, bastante fluido, com alguns "off-cambers" que não temos encontrado muitas vezes e com a chuva  a ajudar, tivemos "condições óptimas para a prática da modalidade"!

Depois do reconhecimento ao percurso, sentia-me bastante à vontade na pista e principalmente achei-a sempre muito divertida e desde cedo procurei fazer a minha corrida, atacando ainda durante a primeira volta. Consegui isolar-me e daí em diante fui aumentando a vantagem sobre os perseguidores. 
Primeiro sobre o Ruben Nunes e mais tarde sobre o meu colega de equipa, Augusto Midão, que vem evoluindo muito bem na sua condição, corrida após corrida e aparecia em Vila real muito motivado após a conquista do título regional.

Foi uma corrida perfeita para mim e no final regressei ás vitórias na Taça de Portugal, o que obviamente me deixa muito contente e permitiu a ascensão ao segundo posto no ranking entre os Master 30.

Obrigado a todos pelo apoio e agora voltamos a correr já no próximo fim de semana em Paços de Ferreira.

Galeria de Fotos

Classificação Master 30


Resumo UVP-FPC

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Campeonato Regional Ciclocross AC Porto

Pelo segundo ano consecutivo, Santiago de Sub Arrifana, Penafiel, recebeu a prova de atribuição dos títulos de Campeão Regional de Ciclocross da Associação de Ciclismo do Porto, num dia em que a chuva e o piso escorregadio fizeram a sua primeira aparição nesta temporada.

Foi pela mão da Associação para o Desenvolvimento de Santiago de Arrifana que também pela segunda vez nesta época a caravana do Ciclocross regressou a Santiago, depois de ali se ter disputado mais uma ronda do Open Sentir Penafiel, mas para esta corrida do Campeonato Regional o circuito sofreu algumas alterações, que o tornaram bastante diferente e acrescentaram acumulado de subidas.

Com a chuva "miudinha" que se foi fazendo sentir, a lama e zonas bastante escorregadias assumiram também a sua quota parte de importância nesta prova, onde desde cedo procurei a minha sorte.
Ataquei a frente da corrida ainda durante a primeira volta, conseguindo isolar-me e aos poucos abrir uma vantagem que chegou a rondar os 30 segundos a meio da prova, no entanto isso não foi suficiente para vencer. Acho que acabei por pagar o esforço de andar a pedalar numa posição incómoda desde a segunda volta, pelo facto do selim ter baixado consideravelmente da sua medida habitual e as pernas ressentiram-se disso.

De trás para a frente vinha fortíssimo o colega de equipa Augusto Midão, que depois de deixar para trás o Campeão Nacional Rúben Nunes, me alcançou e ultrapassou, a meia volta do final da corrida. Já desgastado, não consegui responder e assim pelo segundo ano consecutivo subi ao segundo lugar do pódio no Campeonato Regional.
O terceiro classificado acabou por ser, Rúben.
Foi uma corrida onde senti sempre o apoio de quem estava do lado de fora a assistir e creio não estar a exagerar se considerar que foi das corridas que mais fez os fez vibrar.

Parabéns ao amigo "Gusto" pelo seu primeiro título nesta espectacular vertente no seu primeiro ano de Master 30.


Classificação Master 30:


sábado, 2 de dezembro de 2017

UCI Cyclocross Masters World Championships 2017 - Mol

Depois da estreia em 2016, este ano voltamos a Mol, na Bélgica, para participar no Campeonato do Mundo de Ciclocross Master.

A "comitiva" voltou a ser a mesma, com a excepção da ausência do Paulo Soares, que a poucas horas da viagem teve de abdicar da mesma, devido a questões pessoais de saúde familiar. 
Desta vez organizamos a logística de forma diferente, o que nos permitiu treinar mais vezes no circuito da prova, que apresenta características muito, mas muito diferentes daquilo a que estamos habituados, principalmente no que toca às extensas e difíceis zonas de areia, e também ter a possibilidade de descansar um pouco melhor, evitando grandes deslocações. 
Foram dias de ambiente e convivio espectaculares. O grupo já se conhece bem e é capaz de proporcionar bons momentos. 

Desta vez já sabíamos ao que vínhamos e penso que isso reflectiu-se na forma com que todos abordamos a corrida. 
O dia de prova amanheceu com muito frio, com temperaturas negativas a rondar os -1 e -2ºC durante a manhã e os 0 a 2ºC durante a tarde. Para mim, o mais difícil foi suportar o frio na ponta dos dedos das mãos, principalmente nas duas voltas inicais da prova, apesar de levar dois pares de luvas! 

A ordem de chamada para a grelha de partida foi, tal como no ano passado, por sorteio, e uma vez mais o computador não foi simpático... Parti na ultima linha, com cerca de sessenta atletas na minha frente. 
Optei por ir calmo na saída, já que o risco de ficar envolvido nalguma queda ou molhada era enorme. Mesmo assim, acabei por ter uma ligeira queda ainda dentro do primeiro quilómetro, sem consequências fisicas ou mecânicas, mas sempre com perda de lugares e alguns segundos, mas havia que seguir de "cabeça fria", procurando recuperar o máximo de posições possíveis e assim foi durante todas as seis voltas ao percurso. 
Consegui ultrapassar outros atletas até à última volta, e finalizar a corrida no décimo quinto posto, o que me deixou bastante contente, tendo em conta o facto de partir tão de trás, que imediatamente coloca em causa a possibilidade de se conseguir chegar aos lugares dianteiros, pois com um pelotão tão numeroso é quase impossível evitar perda de tempo para os da frente durante a primeira volta devido ao tráfego... 
A corrida e o título mundial na categoria Master 35/39 voltaram a ser conquistados pelo americano Matt Shriver da Trek Cyclocross Collective, ficando a medalha de prata para o checo Ondrej Zlený e a de bronze para o francês Laurent Spiesser (VCSCP). 
Concluiram a prova 63 atletas. 

Quanto aos colegas de aventura, Carlos "Beco" Queirós foi 57º na minha categoria. O campeão nacional Rúben Nunes foi 16º na categoria Master 30/34 e o António "Custóias" Moreira 24º no escalão 50/54. 
Em prova estiveram também o Carlos Gomes, 33º Master 35/39 e o Vítor Lourenço, 46º 50/54. 

Sem duvida que regressamos a Portugal mais enriquecidos com esta experiência e foi espectacular poder assistir à corrida dos profissionais no dia seguinte e encontrar e contactar pessoalmente com ídolos como Sven Nys, Niels Albert, Katie Compton, Aadrie Van Der Poel ou Ellen Van Loy. 

As atenções viram-se agora novamente para as corridas nacionais e para o Campeonato Regional do Porto que se disputa já na próxima sexta feira, 8 de Dezembro em Santiago de Subarrifana, Penafiel. 

Obrigado a tod@s pelo apoio e principalmente à minha família pela compreensão nos momentos em que estou ausente.


Classificação Master 35-39