domingo, 29 de abril de 2018

Taça Regional AC Porto XCM #2 - Sanguedo

Depois do arranque em Paços de Ferreira,a Taça Regional de Maratonas da Associação de Ciclismo do Porto teve a segunda prova do calendário em Sanguedo, Vila Nova de Gaia.

Foto: Cristina Sousa
A 8ª Rota Rosa do Adro este ano foi disputada numa manhã marcada pelos aguaceiros, por vezes fortes e de granizo, que deixaram os trilhos bastante pesados e técnicos e ainda pelo frio, mas este a partir do momento em que foi dado o sinal de partida passou a ser secundário, dado o ritmo que foi logo imposto na frente da corrida.

Este ano o arranque foi de forma diferente de outras edições, praticamente directo aos trilhos de monte, sem grandes possibilidades de colocação e logo a descer.
Fiquei algo atrasado nessa altura, mas assim que os primeiros quilómetros foram ultrapassados, comecei a consegui colocar o meu ritmo e aos poucos fui subindo lugares na classificação.

Boa parte dos trilhos desta zona já eram conhecidos para mim, pois grande parte deles são partilhados pelas organizações de Sanguedo, Sandim e Avintes, tudo maratonas que nas ultimas épocas têm feito parte do calendário regional de XCM e nas quais tenho participado.
Foto: Cristina Sousa
É uma zona onde as subidas não costumam ser muito longas, mas muitas vezes são bastante inclinadas, num sobe e desce constante que com o passar dos quilómetros provoca grande desgaste.

Consegui chegar à luta pelos lugares do pódio já no ultimo terço da prova.
Por essa altura, na liderança da minha categoria (Master 35-39) seguia o colega de equipa Daniel Bastos e eu entretanto alcancei um pequeno grupo onde seguia o segundo classificado, o Vasco Soares e por aí andei até cerca de 5km para o final, até que o Vasco forçou o ritmo e nessa altura não consegui responder com a mesma energia. Acabei por ficar sozinho pois o outro colega que também ia connosco ficou para trás.
Daí até ao final foi controlar o andamento, e acabei assim em terceiro, indo a vitória para o Daniel e o segundo lugar para o Vasco Soares.

Depois do abandono em Paços de Ferreira por avaria, foi bom poder marcar os primeiros pontos nesta Taça Regional de Maratonas e logo com um pódio.

Acabou por ser também um excelente dia para a nossa equipa Rompe Trilhos / APCar, que além da vitória em Master 35-39, conseguiu ainda vencer no 30-35, 40-45 e 45-49!!
Com todos estes resultados, foi natural a vitória colectiva! Parabéns amigos! Não deixa de ser impressionante uma equipa que alinhou com seis atletas, ter cinco no pódio e um no quarto lugar! Bravo!!

Um agradecimento especial a todo o staff da nossa equipa, impecável nos abastecimentos e assistência e ao amigo Miguel Moura (LousaNutrição) que tem sido peça importante na minha preparação.

Quanto à Trek Procaliber RSL, resistiu de forma imaculada ás exigências do terreno e cada vez me sinto mais confiante com a bike. Obrigado Teknovelo.


Classificação Master 35-39


quinta-feira, 26 de abril de 2018

Próxima corrida: Taça Regional AC Porto XCM #2 - 8ª Rota Rosa do Adro




domingo, 22 de abril de 2018

Taça Regional AC Porto XCO #2 - Moure

Depois do arranque em Folgosa, Maia, a Taça Regional de XCO da Associação de Ciclismo do Porto teve em Moure, Amarante, a segunda prova do calendário, numa organização a cargo do Moure BTT.
Esta corrida marcou também a estreia da nova máquina que me vai acompanhar nas próximas corridas. A fantástica Trek Procaliber.

Foto: Moure BTT
Infelizmente, tal como inúmeras localidades do nosso país, Moure também foi afectada pelos incêndios florestais no ano passado, o que forçou algumas alterações ao traçado do circuito, alterações essas que na minha opinião acrescentaram-lhe ainda um pouco mais de exigência, quer física quer técnica e se esta já era uma das minhas pistas favoritas da região, agora ganhou mais alguns pontos na minha consideração.

Foto: Moure BTT
O circuito não é muito longo, contando com cerca de 3,3 km de extensão total, mas é de uma intensidade interessante, com uma primeira parte maioritariamente em descida, com partes rápidas e outras mais lentas, mas sempre com muita condução e uma segunda parte muito exigente em termos de subida, intercalando topos duros com "falsos planos" que nos trazem de novo até à meta.

Foto: Moure BTT
A corrida Master 30 foi disputada em seis voltas ao percurso, com o Rúben Nunes a assumir a frente e a abrir uma "janela" de alguns segundos logo na ronda inicial.
Mais atrás vinha eu e o meu colega de equipa Augusto Midão na segunda e terceira posições, tendo eu descido para terceiro a meio da prova por troca com o Gusto, que entretanto depois abriu alguns segundos para mim e aos poucos fomos encurtando a distancia para o Rúben, mas este geriu bem até ao final das seis voltas e venceu bem. O Augusto Midão foi então segundo e eu terceiro.

Foto: Moure BTT
Foi assim o meu regresso aos pódios no Regional do Porto de XCO, numa corrida em que me diverti muito. Adoro aquela parte inicial do circuito a descer e adorei a confiança na condução que a Procaliber trouxe.

Colectivamente, esta também foi uma boa jornada para a Rompe Trilhos / APCar, já que conseguimos ser a segunda melhor equipa.

A próxima corrida é já domingo, com a segunda prova da Taça Regional da AC Porto de Maratonas (XCM) em Sanguedo, Vila Nova de Gaia.


Classificação Master 30


quinta-feira, 19 de abril de 2018

Próxima corrida: Taça Regional AC Porto XCO #2 - Moure


Programa:

08h00 – Abertura do secretariado Corridas C1 e C2
08h45 – Reunião de Directores

09h30 – Corrida C1
Todas as categorias Femininas
Cadetes Masculinos, Master 40, 50
Promoção

11h00 – Corrida C2
Juniores, Sub-23, Elites, Master 30
12h30 – Entrega de prémios

domingo, 8 de abril de 2018

Taça de Portugal XCO #2 - Jamor

A segunda das cinco provas que compõem a Taça de Portugal de XCO disputou-se no Centro Desportivo Nacional do Jamor, num fim de semana onde tínhamos quase sempre a incerteza em relação ao estado do tempo, que no caso de chuva transformava completamente o circuito, tornando-o muito escorregadio e com várias zonas impossíveis de ultrapassar em cima da bicicleta.

Foto: UVP-FPC
Foi nessas condições que fizemos o reconhecimento no sábado, mas na manhã de domingo a meteorologia melhorou. A chuva não apareceu e o piso ficou maioritariamente compacto, apesar de pesado em várias zonas.

Parti bem. Aliás, foi a minha melhor saída de sempre na Taça de Portugal de XCO. Andei em terceiro, mas aos poucos os favoritos foram chegando-se para a frente e perdi alguns lugares.
A corrida foi disputada em quatro voltas, talvez devido ao receio da lama, que que no caso de se verificar, fazia subir bastante os tempos por volta, mas como não choveu acabamos por fazer bastantes minutos abaixo do tempo mínimo regulamentar...

Foto: UVP-FPC
Na frente a luta era entre os "suspeitos do costume", com o André Filipe (CPR A-do-Barbas) sempre forte e o Filipe Ramos (ASC) na perseguição. Mais atrás vinha o Campeão Nacional, Ricardo Vicente. E foi por esta ordem que ficou definido o pódio entre os Master 30. 
Quanto á minha corrida, a partir da segunda das quatro voltas andei na luta pelo nono lugar com o Ricardo Sousa da equipa ASC e já durante a última ambos entramos na luta pelo oitavo com o Américo Santos, mas este defendeu-se bem até à meta e assim não houve mais alterações de lugares até final. Terminei então em décimo, sem percalços ou quedas e ainda deu para me divertir nalgumas partes do percurso e isso é bom!

Segue-se agora um fim de semana sem competição, para regressar dia 22 em Moure, Amarante, para a segunda prova da Taça AC Porto de XCO.

Galeria de Fotos

Classificação Master 30

Resumo vídeo UVP-FPC